Em silêncio

(... Saí de casa com o coração a bater forte de excitação, nem conseguia ordenar as ideias. Só uma louca para subir ao monte num dia como aquele. Mas eu queria ouvir o silêncio.
O céu estava carregadíssimo, pintado de um cinzento escuro. O caminho feito em contra-relógio pareceu-me bem mais longo do que na realidade é. O tempo parecia que fugia.
Não havia outro sítio para estar naquele dia, naquela hora, que não ali, mais perto do céu.
Lá em cima a chuva sentia-se ainda mais intensa, o vento estava ainda mais revolto, mas eu estava de braços abertos à vida, eu queria estar ali...
Algumas coisas mudaram desde então, mas há certas coisas que nunca mudam.
Hoje, a chuva é a mesma. E a vontade de subir e transpor as montanhas, também. Mesmo em dias de tempestade... Porque eu sei o que se pode ver e ouvir quando estamos lá em cima!
Há dias que nos marcam a vida, como um sinal que nos marca para sempre a pele. Uns vêm envoltos em nevoeiro, outros em chuva, outros em raios de sol... Há dias que são de extremo barulho e outros de um profundo silêncio... Enigmas da vida!...)

1 Vizinho(s) mais amarelo(s):

Joana disse...

É por isso que os dias devem ser vividos intensamente.

Beijinhos