Carrinha mágica

Aguardava com alguma ansiedade as tardes em que a "carrinha mágica", carregada de histórias de encantar, chegava à minha terra. A biblioteca itinerante, estacionava no jardim, abria as portas de par em par e esperava pelas mãos de todos aqueles que se deliciavam em tocar as lombadas dos livros. Pela mão dos meus pais (que também tinham sido iniciados pelos próprios pais) desde cedo, comecei a mergulhar no mundo da fantasia. Dentro daquela "caixa", cujas paredes eram revestidas de estantes cheias de livros de muitas cores eu vivi mil e uma histórias.
Indecisa, queria trazer todas aquelas letras para minha casa, lá fazia a minha escolha. Era como um tesouro do qual podiamos usufruir durante um determinado tempo. Era um amigo que podiamos levar para casa e que tinhamos que tratar bem.
Comecei pelos livros infantis, histórias de Princesas nos seus Castelos, passei pelas fábulas, mais tarde passei para os livros de aventura, para os romances, para os clássicos.
Estas carrinhas eram uma forma de levar os livros a todo o lado, de proporcionar a todos uma boa leitura. Eram um incentivo à leitura, ao prazer dos livros.
As bibliotecas itinerantes fazem parte do meu imaginário infantil. As lembranças dessas tardes estão guardadas no baú das boas recordações da infância e da adolescência.
A "carrinha mágica" deixou de estacionar aqui no jardim... Mas a magia dos livros ficou cá!

3 Vizinho(s) mais amarelo(s):

Joana disse...

A magia dos livros ficou em mim graças à professora de português que tive no secundário. Ela deixou em mim o bichinho da leitura.

Beijinhos

Poetic GIRL disse...

Eram os momentos altos do meu mês, que saudades desse tempo! beijocas

Tixa disse...

OH... aqui também havia... era uma loucura!!! A magia chegava todos os meses à porta da escola! Era uma excitação! SAUDADES!!!!


* beijocas